A REVISTA DO HOMEM

 A REVISTA DO HOMEM
Em meados da década de 1970, Roberto Civita, que trabalhava na Editora Abril sob seu pai Victor Civita, acertou com a direção da revista Playboy nos Estados Unidos para acertar o começo de uma versão brasileira da publicação. Em seguida conversou com Victor, que sugeriu pedir permissão para a publicação com o ministro da Justiça, Armando Falcão, visto que o governo militar mantinha a imprensa sob censura prévia. Apesar das garantias que os ensaios seriam mais comportados e o conteúdo editorial seria "muito mais intelectual e sofisticado que qualquer revista que circulava no país", Falcão vetou o plano declarando que "não poderia fazer nenhuma revista com o nome PLAYBOY no Brasil, não importava o conteúdo." (a edição norte-americana teve sua venda proibida em 1970) Observando uma brecha, Civita reenviou os planos sob o título A Revista do Homem, conseguindo a aprovação
 A REVISTA DO HOMEM
A primeira edição de Revista do Homem, comumente abreviada à época como Homem, foi lançada em agosto de 1975, com um casal na capa ( a modelo era a Rosicleide). Embora a estrela do ensaio interno fosse Lívia Mund, o editor Fernando de Barros vetou uma capa com Mund por ela também estampar a Nova daquele mês. Sua substituta foi uma modelo não creditada, conhecida apenas por Rosicleia. Contando também com fotos da americana Valerie Perrine e textos de Vladimir Nabokov, Francis Ford Coppola, Jorge Amado, Paulinho da Viola e Roberto Drummond, a edição inicial de Homem logo se tornou bem-sucedida, vendendo 135 mil exemplares.
 A REVISTA DO HOMEM
As fotos eram cortadas ou retocadas para evitar nudez explícita. Para enganar o crivo da Divisão de Censura de Diversões Públicas, a equipe da revista utilizava-se de truques como submeter fotos escandalosas para conseguir que outras fossem aprovadas, ou ensaios de moças vestindo camisetas molhadas. Ao mesmo tempo, nenhuma menção era feita à Playboy americana na primeira edição, não contando nem com a tradicional entrevista - que estrearia na segunda edição, com o ex-agente da CIA Philip Agee, e só veria versão nacional em 1976 com o ex-jogador Didi.
REVISTA DO HOMEM
Em contraste ao veto das fotos, assim como outras revistas masculinas da época a publicação uma condição de vanguarda no jornalismo, contando com reportagens inovadoras, algo que o jornalista Gonçalo Júnior explicou com o fato que "na condição de revista de 'mulher pelada', preocupavam-se mais em censurar as fotos do que em censurar matérias e entrevista". Em abril de 1977, com o afrouxamento do regime militar sob a presidência de Ernesto Geisel, Homem conseguiu pela primeira vez estampar na capa o coelhinho que é a logomarca da Playboy americana, e em julho de 1978, a revista pôde estampar seu verdadeiro título nas bancas, com a presença na capa da modelo importada dos americanos Debra Jo Fondren. Durante o período, a Abril disputava o direito do nome A Revista do Homem com a Editora Três, que publicava a concorrente Status e lançou uma publicação também chamada Revista do Homem em 1975 apenas para se aproveitar do título e prejudicar a Abril.

Comentários